Algumas crianças passam longas horas a jogar jogos. Será que eles sofrem com o vício em videogames? Não necessariamente. Mas em alguns casos, as crianças podem podem gastar muito tempo no sofá, tornando-se mais sedentários e socialmente reclusos. Por vezes, até negligenciam suas tarefas ou trabalhos de casa, e eles podem deixar de desenvolver a capacidade de se divertir. Mas esses problemas não significam que uma criança sofre de um vício.

O que é um vício?

Originalmente, o termo se refere a uma dependência fisiológica em uma droga. Hoje em dia, as pessoas usam “vício” para descrever todos os tipos de comportamento excessivo, como comer muito chocolate. Mas enquanto pesquisadores evitam este uso, eles reconhecem que alguns passatempos, como os jogos, podem se tornar patológicos e assemelhar-se a um verdadeiro vício. E algumas crianças que jogam videogames preenchem os critérios clínicos para um “vício” neste sentido.

Jogos dominam as vidas do viciado. Jogar lhes dá uma sensação de euforia, ou, pelo menos, uma sensação de alívio de sentimentos desagradáveis??. Crianças experimentam crises de abstinência se eles não têm acesso a jogos. E o jogo interfere com a vida cotidiana, incluindo na escola e nas relações sociais.

Assim, o vício patológico em jogos é mais sobre a quantidade de tempo que seu filho passa jogando. Trata-se dos jogos tomando conta da vida de seu filho.

Seu filho é viciado em jogos?

Em um estudo, foram entrevistados 1.178 jovens com idade entre 8 a 18, pedindo para eles responderem cada uma das perguntas abaixo com qualquer um “Sim”, “Não” ou “às vezes”. As crianças eram consideradas jogadores patológicos se eles responderam com um “Sim” ou “às vezes” a pelo menos seis dessas 11 perguntas.

  1. Você tem passado muito mais tempo pensando sobre jogar jogos, aprendendo sobre jogos, ou planejando a próxima oportunidade de jogar?
  2. Você precisa gastar mais e mais tempo e/ou dinheiro em jogos afim de sentir a mesma quantidade de emoção?
  3. Você já tentou jogar jogos com menos frequência ou por períodos mais curtos de tempo, mas não são foi bem sucedido?
  4. Você fica agitado ou irritado quando tenta reduzir ou parar de jogar jogos?
  5. Você já jogou como uma forma de escapar de problemas ou sentimentos ruins?
  6. Alguma vez você já mentiu para a família ou amigos sobre quanto tempo você joga?
  7. Você já roubou um jogo de uma loja ou um amigo, ou você já roubou dinheiro para comprar um jogo?
  8. Você às vezes ignora as tarefas domésticas afim de passar mais tempo jogando?
  9. Você às vezes pula sua lição de casa afim de passar mais tempo jogando?
  10. Você já foi mal em um trabalho escolar ou teste porque você passou muito tempo jogando?
  11. Você já precisou de amigos ou família para dar-lhe dinheiro extra, porque você gastou muito dinheiro em equipamento de vídeo game, software, ou mensalidades/pacotes/tarifas de jogos online?

Cerca de 20% da amostra estudada preencheu os critérios para um vício em videogames. Cerca de 8% dos jovens foram classificados em um nível patológico mais crítico, quando contabilizadas apenas as respostas “sim”. De qualquer maneira, isso é um monte de dependência, e o problema parece afetar crianças profundamente. Neste estudo, o vício não estava relacionado com as variáveis ??culturais, como a raça ou o tipo de escola frequentada. Além disso, o vício em jogos tem sido relatado em todo o mundo.

Cuidados com os viciados em jogos

O vício em jogos é uma preocupação real dos pais e deve ser monitorado para que não se torne uma patologia grave. (Foto: subjectguides.fortlewis.edu)

Alguns sinais extras do vício em jogos

Mas, apesar de suas origens variadas, viciados em jogos têm algumas coisas em comum. No estudo, os jogadores patológicos passavam cerca de duas vezes mais tempo a jogar jogos (24 horas semanais). Eles eram mais propensos a ter consoles/computadores em seus quartos. E eles também: relataram mais dificuldade de prestar atenção na escola, eram de classes mais pobres, e tinham mais problemas de saúde.

Em um outro estudo, os pesquisadores descobriram que as crianças que preencheram os critérios clínicos para o vício em videogames tiveram pior desempenho na escola. Curiosamente, este estudo não encontrou qualquer correlação entre o tempo gasto com jogos e desempenho escolar. Foram os sintomas do vício que prejudicaram o desempenho na escola e não o tempo jogando em si.

O que significa tudo isso?

Como mencionado acima, você não tem que sofrer de um vício em videogames para ter um problema. Então, o que é importante sobre a identificação de hábitos patológicos de jogos?

Eu não encontrei nenhuma pesquisa científica sobre o assunto, mas os médicos aconselham que o vício patológico em jogos deve ser levado mais a sério. Não é “só uma fase” que vai ficar melhor por conta própria. Seu filho pode se beneficiar dos mesmos tratamentos que funcionam para jogadores patológicos ou toxicodependentes. Terapias como aconselhamento cognitivo-comportamental, grupos de apoio e programas de “12 passos”.

Algumas reflexões sobre o vício em jogos

Também é aconselhável estar atento sobre as experiências de jogos que poderiam sobrecarregar o senso de auto-controle de uma criança. As pessoas podem tornar-se completamente imersas em jogos, perdendo a consciência da passagem do tempo, de suas vidas reais fora do jogo. Os psicólogos chamam isso de fluxo de experiência, e não é uma característica exclusiva dos videogames. Muitas outras atividades, incluindo as altamente produtivos, como esculturas ou composição de músicas podem também criar esta sensação.

Alguns jogos parecem ter um efeito particularmente poderoso, e eu me pergunto o quão realista é esperar as crianças a manterem os seus hábitos de jogo controlados

Será que os estudos citados aqui superestimam as taxas de vício em videogames? Vamos supor que eles o façam. Nós ainda ficamos com evidências de que algumas crianças, por sua própria admissão, estão deixando videogames atrapalharem outros aspectos de suas vidas.

Além de monitorar os hábitos e das nossas crianças estabelecendo limites, podemos também pensar seriamente sobre as formas de lidar com o fascínio pelos jogos. Talvez os pais possam oferecer as crianças outras formas mais produtivas ou estimular o fluxo de experiência de outras formas. Crianças podem perder-se na exploração da fauna local ou na construção de uma ponte com blocos de montar.

É interessante considerar que, enquanto os videogames se tornaram mais populares, outros tipos de brincadeiras foram encolhendo. Eu não estou sugerindo que os videogames são os responsáveis. Mas talvez a disponibilidade de jogos tenha facilitado uma grande mudança em nosso estilo de vida.

Considerações Finais

Lembro-me de quando as crianças costumavam passar a maior parte de seu tempo livre ao ar livre, jogando sem a supervisão direta de adultos. Hoje, isso é considerado muito perigoso, e para as crianças que vivem em bairros de alta criminalidade, o perigo pode ser real. Em um estudo, os pesquisadores descobriram que as mais altas taxas de dependência em jogos era maior entre as crianças que percebiam seus ambientes como menos seguros.

Qual a sua opinião sobre o assunto? Como você regular o tempo de jogos do seu filho?